Friday, March 21, 2008

Mais que louca

Preciso de sair de mim. Deixar-me seduzir, ser aliciada como uma criança ingénua. Quero chegar ao armário de manhã e escolher quem vou vestir. Mudar todos os dias de personalidade, como quem muda de roupa.
Preciso que ninguém me reconheça na rua. Que me admirem num dia e me odeiem no outro e depois possa trocar de roupa e já ninguém se lembre. Quero que ninguém se lembre de mim para que eu possa levar-me ao extremo de mim mesma. Assumir-me de um jeito diferente a cada dia.
Quero poder ser louca, experimentar a doce sensação de não me preocupar com nada, especialmente com o que alguém pensa de mim. Os loucos são livres. Como lhes invejo isso.
O que não invejo é não poderem regressar à realidade, à suposta normalidade em que vivemos.
Eu quero mais que ser louca. Quero ser tudo ao mesmo tempo. Quero experimentar-me. Quero testar-me.

tu conheces o teu limite?

12 comments:

Pedro Lopes said...

espero que no meio dessa loucura toda haja um espaço de sanidade para mim :P


estranho desejo princesa...


tu és o meu limite, o meu princípio e o meu fim, o meu infinito...

** LOVE **

(Un)Hapiness said...

o desejo de ser O outro atinge-me tb...o desejo de puder testar-me ao máximo, de testar os outros, de não sentir remorços nem pensar "mas...". o desejo de viver outra vida sem olhar para que o deixaste para trás, pk aí, n deixaste, apenas tens essa experiência...

mas, para isso é preciso coragem...e, não a tenho [ainda]

Português Suave said...

Ninguém se conhece ao limite, creio eu.
E ser-se louco não será viver em prisão? Gera-se sempre uma contradição no que toca a isso. Não estão presos em si, esses loucos, dia após dia? Não são rejeitados e presos na sua actuação?
Sê tu, somente, sem pensar no que os outros pensam. Ser assim é ser feliz, ser livre e dona de uma loucura saudavel :)
Ou então sê actriz :p *

bruxinha said...

Gostei tanto deste post. Revi-me a cada linha das tuas. Vi-me reflectida a cada palavra escrita. A ânsia de testar os limites aflora à pele...E isso, ninguém nos tira e ninguém a vive por nós. Mas é tão bom:)*

Leonor said...

hello.
obrigada pela tua visita. discordo contigo em algumas coisas deste teu desabafo.
penso que cada um de nós já é muitos. penso que os loucos nao sao livres. livres somos nos que podemos escolher entre o bem e o mal. eles nao.e tu nao queres que te odeiem. ninguem quer.
beijinhos

arte de amar said...

Axo todos deveremos ter noção dos nossos limites, mas sem deixar de viver intensamente.

Nilson Barcelli said...

Eu não faço a mínima ideia dos meus limites em vários domínios.
Mas também não estou preocupado...

A vida vai-se encarregando de testar os nossos limites. Por isso, não precisas de enlouquecer nem de assumir várias personalidades.

Mas percebo a ideia no teu belíssimo texto...

Bom resto de semana, beijinhos.

Sandro said...

Na verdade... Não!

Luis Martino said...

ser alguem ser ninguem,
perdido na dualidade das horas,
escrevo sem fim tudo o que tinha a gritar,
gritar gritei gritando,
sussurrei aos teus ouvidos,
fechados nas minhas mãos,
deixei deixei-te e foste,
para onde nunca saberei...

Francis said...

Limites... sim... pois...
... então e esta máscara que não me sai da cara?

:)

Nilson Barcelli said...

Já vi que foste mesmo seduzida... e até eventualmente raptada...

Espero que estejas bem.

Beijinhos.

said...

Como se dizia em pleno maio de 68, "os limites impostos ao prazer excitam o prazer de viver sem limites", gostei;)