Sunday, October 22, 2006

Did you forget?



Estou completamente exausta... parece que de repente todos decidiram deixar de ser pessoas normais, o que é que se passa com o mundo?
Já nem posso sair à rua, daqui a pouco vou ter medo de ver os outros rostos apontados na minha direcção, sinto-me uma sombra incompreendida a vaguear por aí, sem rumo, sem nenhum destino, afinal que faço eu aqui? O que me prende a este chão?
De certeza que aqueles olhares são de repugnância, tenho a certeza que pensam que espécie de “coisa”sou… o que eles não sabem é que a louca não sou eu, nem pensar!
Queria que parassem de olhar para mim de uma forma interrogativa, estou farta que nada do que eu faça possa sequer fazer sentido, ás vezes acho que me foi retirado o poder das palavras, que na minha boca tudo deixa de ter sentido ou significado, esforço-me para ser compreendida mas talvez o que chega aos ouvidos dos outros sejam apenas sons sem nexo, suspiros gritados pela minha boca seca.
Acho que estou finalmente a chegar ao ponto de desespero, a única coisa que me apetece é gritar “vão-se Foder!”, deixar de lado a boa educação e os meus princípios já que, por agora, não me têm ajudado em nada…
Talvez tenha achado durante demasiado tempo que era uma borboleta livre, que o mundo estava a meu favor, agora alguém mais forte me quer provar que a minha fragilidade é tão fácil de ser exposta.


“I was alone,
Falling free,
Trying my best not to forget”


Desiste por favor…
O louco aqui és tu,
não sou eu que vivo nesse mundo estúpido que escolheste e que eu acompanho sem perceber…

quando é que me deixas apresentar-me?


Baby did you forget to take your meds?
Baby did you forget to take your meds?
Baby did you forget to take your meds?
Baby did you forget to take your meds?




foto cedida por:
http://www.fotolog.com/piriliiim
/eu propria

11 comments:

.*.Magia.*. said...

Estamos SEMPRE sozinhos...desde o momento em que abandonamos o ventre da nossa mãe!
A SOLIDÃO acompanhada faz parte de cada um de nós...
A vida, ensina-nos a geri-la, ou talvez não!

Beijokas Mágicas

O pensador said...

oi menina grita a vontade estou aqui para te ouvir...o que dizes é verdade anda tudo anormal e depois pensamos se somos nós que estamos errados não é?
pensa que estas certa assim será mais facil encarar o dia a dia...mas interroga-te sempre:)
bjoooo

Luigi said...

Olá! Desculpa a ausência no teu espaço, infelizmente tem sido por motvos alheios a minha vontade, visto que o active x tem me impedido de entrar em alguns blogs, incluíndo o teu. Espero que consiga fazer chegar-te este comment. Senão iei pedir a alguém que faça em meu nome.

Dito isto, queria dizer-te que compreendo muito bem a tua revolta. vivemos num mundo de sombras onde os verdadeiros falores da vida são despejados como lixo se tratasse.
Acredita que ainda há luz, como alguém me disse as vezes basta que acreditemos em nós, acreditemos na vida

baci per te

francis said...

Penso que estás a marcar a tua posição, o teu espaço.
Não se passa nada mal contigo. Alías, se a tua convicção se traduzir na vontade das tuas palavras, tudo correrá bem. O essencial é nunca deixares de acreditar em ti.
Um beijo :-)

pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

Beijo partido de vidro
incandescente.
De cores escorridas
e pincéis sujos.
Beijo de papel branco
No canto jogado.
Beijo cheio de ausências,
de cortes e dores,
De braços cansados.
Beijo de caminho sem volta,
de quarto vazio.
Beijo sem boca,
Sem corpo, sem custo.
Beijo no claro e vazio da minha alma
Que se solta...
Calma.


kissesss by pequenita

Unicus said...

Penso que a "magia" resumiu tudo muitissimo bem. E as tuas fragilidades não são assim tão visiveis. Se olhares atentamente verás as fragilidades de todos/as.
Beijo

Saramar said...

A vida é anormal. Nós é que tentamos colocar alguma sanidade nela. Geralmente, em vão. Então enlouquecmos juntos. Não se preocupe. Todos andam mais ou menos assim.

beijos

Vida said...

Andamos mesmo num mundo complexo, onde muita coisa anda ao contrário, onde todos acham que são donos da verdade... mas ainda podemos deixar este grito saltar cá para fora...

Beijinhos para ti.

Nilson Barcelli said...

Não faço a mínima ideia se este texto é a tua realidade ou é ficção.
Em qualquer dos casos direi que há pessoas que se sentem estranhas dos outros (daí a solidão) por variadíssimos motivos: pela maneira como se vestem, como pensam, etc.
A loucura é sempre relativa, mas quando achamos que os outros estão todos (ou quase) loucos, então é muito provável que os loucos sejamos nós. Mas também é relevante o tipo de loucura de que estamos a falar...
Mas se te apetece gritar, grita... e este teu texto já é esse grito ou parte dele.
Mas há muita gente a tomar ou a precisar de valiuns ou prozacs...
O importante, no meio disto tudo, será que não nos deixemos vencer. A derrota deve ser banida do nosso vocabulário do sentir.
Como é óbvio, gostei do que escreveste, de contrário não estava aqui a gastar o meu latim. E porque sei que não és nada surda...
Beijos.

Sandro said...

então grita mesmo:
VÃO-SE FODER!!! (eu grito contigo)

Té § [Pi]menta =) said...

"Acho que estou finalmente a chegar ao ponto de desespero, a única coisa que me apetece é gritar “vão-se Foder!”, deixar de lado a boa educação e os meus princípios já que, por agora, não me têm ajudado em nada…"

às vezes é mesmo o que apetece!! gostei do teu texto! sem rodeios, mto directo!* bjo