Wednesday, June 13, 2012

13.06.1888 — 30.11.1935



Se penso mais que um momento

Se penso mais que um momento
Na vida que eis a passar,
Sou para o meu pensamento
Um cadáver a esperar.

Dentro em breve (poucos anos
É quanto vive quem vive),
Eu, anseios e enganos,
Eu, quanto tive ou não tive,

Deixarei de ser visível
Na terra onde dá o Sol,
E, ou desfeito e insensível,
Ou ébrio de outro arrebol,

Terei perdido, suponho,
O contacto quente e humano
Com a terra, com o sonho,
Com mês a mês e ano a ano.

Por mais que o Sol doire a face
Dos dias, o espaço mudo
Lambra-nos que isso é disfarce
E que é a noite que é tudo.

                Fernando Pessoa

5 comments:

S* said...

Um autor que nunca me canso de ler.

palavraderita said...

Também me casava com ele!

Corre como uma menina said...

FP tem tanto de belo quanto consegue ter de depressivo... Sobretudo na sua faceta Álvaro de Campos. Mas foi, sem dúvida, um dos nossos maiores poetas.

Joana said...

Não conhecia este poema e gostei muito :)

Beijinhos! :)

joão marinheiro said...

Sempre tão actual e presente o grande Poeta.
Abraço com mar e brisas