Monday, January 25, 2010

A rotina não existe.

Ontem fui à estação rodoviária de Viseu. Foi estranho estar naquele mesmo local à espera de um autocarro, desta vez, não o meu. É um misto de sensações indecifráveis. Pode chamar-se nostalgia. Encarno num saudosismo inusitado. Recordo vagamente o primeiro ano, a excitação e o medo confundidos entre si provocando um efeito próprio, único. O tempo passou, levou experiências, troxe responsabilidades em troca. Hoje, só um acaso como o de hoje, me levam à mesma estação.
São os acasos que foram outrora rotinas.





Em desintoxiação: atolada de açucar.

1 comment:

entremares said...

E na boca fica uma sensação estranha, não é?
Ficamos a pensar: O que sentia eu, naquela altura?

Fica bem,
Rolando