Friday, February 02, 2007

Adormecida


Gostava que de repente fosse possível entrar no corpo de alguém, sentir as coisas de outra maneira. Estou farta de sentir as coisas da mesma forma...talvez experimentar outras, sentir como outros sentem, será que muda assim muito?
Não sei como as outras pessoas vêem o mundo, sei lá se as cores são as mesmas, se variam os perfumes, diferem os gostos. Não sei se sentem as coisas com a mesma emoção, não sei se sentem o frio ou o calor como eu, se têm medo das mesmas coisas, se fazem as mesmas questões a si próprios, se pensam no mesmo que eu. Não sei se acordam sempre com frio, se gostam das mesmas músicas, se ambicionam as mesmas coisas. Não sei se resolvem os problemas da mesma forma, não sei sequer se os problemas serão os mesmos. Talvez ninguém se preocupe com coisas tão pequenas.

Eu preocupo.

Desde pequena que adoro observar as pessoas, às vezes fico a olhar para alguém imenso tempo, depois fico a imaginar como será a sua vida, para onde vai, quais os seus medos e dúvidas, fico a pensar se está feliz, se é quem sempre quis ser. Toda a gente quer ser alguma coisa. Toda a gente sabe sonhar, disso eu tenho a certeza.
Decoro pequenas coisas nas pessoas que me rodeiam, gosto de conseguir prever reacções, gosto de saber o que posso ou não dizer...Divirto-me nesses jogos, tenho que confessar! As pessoas são estranhas...cada um de nós vive no seu mundinho isolado, vê as coisas à sua maneira, estabelecemos relações uns com os outros, achamos que essa pessoa com quem nos estamos a relacionar nos percebe mas de um dia para o outro...puff!! isso muda radicalmente e passamos a nem poder ver essa mesma pessoa à nossa frente, acho isso estranho... Não devia ser assim.
Era tão simples se pudéssemos pôr o nosso corpo a descansar sobre uma prateleira, deixá-lo lá arrumado juntamente com as outras coisas que não interessam e deixar o resto andar por aí, viver aos bocadinhos nas mentes de outras pessoas como nós, aprender mais sobre a vida mas com partes do nosso ser desligadas. Era tão mais simples.

Vou tentar deixar o meu corpo arrumado no armário hoje, e vou voar por aí...vou tentar entrar em ti, perceber o que sentes.

Prometo que não vai doer...


/eu própria

6 comments:

Té § [Pi]menta =) said...

q essa vontade de conhecer o ponto de vista dos outros, seja so' curiosidade e não vontade de seres outra pessoa... a nossa identidade é o que nos caracteriza! :)

eu às vezes tb gostava de entrar no corpo de outras pessoas e saber o que sentem! mas isso 'e impossivel! * bjinhoo

[texto mt bonito o de hoje!]

Tiago said...

Se isso fosse possível deixava de ser preciso dialogar, bastava entrar no corpo da outra pessoa... "ok, então é assim que tu sentes"! Cada um vê o mundo à sua maneira, 6 biliões de pessoas vêem o mundo de 6 biliões de maneiras diferentes, contudo, ninguém pode afirmar que a sua "visão" é a melhor, é simplesmente diferente.

Té § [Pi]menta =) said...

vou mesmo desta vez :) *

Leonoretta said...

ola.
afinal as tuas palavras poderiam ser as minhas. tenho as mesmas duvidas que tu... e os mesmos medos tambem.
beijinhos da leonoreta

joaninha said...

Eu também sou assim, também me dedico a observar as pessoas e a imaginar o seu pequeno mundo. Acho que esse é um escape natural e uma prova de que a idade não nos priva de tudo :) Felizmente, ainda há muitos momentos na minha vida em que sinto a felicidade momentânea da infância... apesar de não durar muito, ainda existe :)

Para mim, o mistério de conhecer pouco a pouco é, provavelmente, uma das coisas que mais me faz gostar de alguém. Não sou muito adepta de "livros abertos"...

Beijinho*

Kalinka said...

A vida é uma passagem sim, feita de lugares certos e errados, palavras ditas e não ditas, correctas ou não, mas que com elas construimos essa vida e esse caminho da vida de um tempo que não volta mais...
fica apenas o sabor doce e/ou amargo de algumas palavras em momentos certos ou errados....

Beijokas.